Jornada Intensiva: trabalhe das 8h às 15h

jornada intensiva

A Jornada Intensiva é um expediente que começa às 8h e termina às 15h. Sete horas de trabalho por dia e mais da metade da tarde para você fazer o que quiser, desde que seja fora do escritório. Essa é a proposta do sistema de trabalho que é comum na Espanha e que, segundo me mostrava a reportagem do El País, parecia trazer mais benefícios que uma vaga no Google.

Pesquisei um pouquinho e descobri que a Jornada Intensiva foi criada quase por uma questão de sobrevivência, sendo adotada entre os espanhóis nos meses de junho a setembro. Como nessa época faz muito calor por lá o desempenho de algumas tarefas fica comprometido. Um inferno, mais ou menos como o verão em Porto Alegre. Por isso o objetivo é começar cedo, almoçar no próprio escritório e cair fora no ápice do calorão.

O teste da Jornada Intensiva

Convencida pelos argumentos, comecei a testar a Jornada Intensiva aqui no home office. E concordei com os especialistas: em um expediente de oito horas você busca distrações para preenchê-lo. Percebi que antes eu passava boa parte do tempo de trabalho tomando um café, checando o  WhatsApp e até mesmo conversando com o gato. Quando me propus a trabalhar sete horas por dia já começava a manhã sabendo que o tempo é curto, por isso me concentrava mais e evitava me distrair, por consequência a minha produção passou a ter mais qualidade.

Ou seja, o mais legal dessa história toda é que, embora se trabalhe menos horas, a produtividade aumenta. E veja, não estou sozinha nessa. Esse é o argumento também da Iberdrola, que em 2008 implantou o horário reduzido em todos os meses do ano. Além da melhora no desempenho dos funcionários, a empresa espanhola de eletricidade afirma que a mudança resultou na diminuição de 20% das faltas e de 15% dos acidentes de trabalho.

Outro ponto positivo pra mim é que funciono melhor nas primeiras horas da manhã e gosto de curtir o dia. Então além do horário potencializar o meu raciocínio eu ainda me sentia estimulada por saber que logo mais poderia estar na rua tomando um café ou mesmo resolvendo alguma rotina administrativa. Mais uma vez a minha experiência batia com a do pessoal da Iberdrola que acredita que “um empregado que está contente, rende mais”.

Um vazio no estômago

Mas nem tudo é perfeito. O que não achei muito bom foi a questão do almoço. É preciso ter alguma coisa encaminhada em casa e comer rapidinho ou fazer um lanche leve de meio-dia e deixar para almoçar às três da tarde. E isso vai um pouco contra a minha meta de alimentação saudável. Também não dá para entrar na paranóia e radicalizar. Tem dias que algum cliente vai precisar de você em outro horário, ou algum projeto especial vai demandar horas de trabalho noite adentro, acontece.

O bom é que trabalhar em casa oferece a possibilidade de testar diferentes fórmulas e até mesmo de alternar entre várias delas. Confesso que tenho a maior curiosidade de aderir a um horário noturno e trabalhar na madrugada durante algumas semanas. Se você adota alguma jornada de trabalho “diferente” ou conhece algum sistema que foge um pouco dos padrões, me avisa. Quem sabe a gente não troca umas dicas durante o expediente?

  • Realmente interessante. Já ouvi falar que trabalhar 2 horas completamente focado pode ser mais produtivo que 8 horas dentro de um ambiente de escritório. Isso porque, segundo essa fonte, a cada interrupção nós demoramos em média entre 20 e 30 minutos para voltarmos a produzir em um estágio de imersão total.

    Verdade ou não, é fato que dentro de um ambiente de escritório temos muitas distrações possíveis: chefe te chamando na mesa, reuniões muitas vezes desnecessárias, chat interno, colega te tacando papelzinho, etc. Fora as distrações nas quais todos estamos sujeitos se permitirmos que aconteçam, como e-mail aberto o tempo todo, facebook, whatsapp, etc.

    Acho que o ideal é ter controle. Estipular horário de início e fim para cada tarefa, sem distrações. Hoje trabalho com uma agenda de 1h por tarefa, com pausas de 5 a 10 minutos entre elas – mas claro, com sua devida flexibilidade. É o tempo de beber água, ver e-mails, jogar um joguinho no celular, ficar na varanda observando a rua, enfim. Tempo de dar um reset no cérebro.

    Posso dizer que depois que implementei esse método, minha produção aumentou em pelo menos 50%. O suficiente para conseguir encerrar o expediente às 16, 17hs sem peso na consciência.

    Parabéns pelo post.

    Um abraço,

    Walter Mattos.

  • eduarda

    Adorei o post! Também trabalho em casa, e vou testar esse método, me parece bem interessante!

    Beijos

    Eduarda

  • Cleyton Messias

    Acho a ideia bem interessante mas acredito que não se aplica ao meu contexto : trabalho em casa mas preciso fazer várias reuniões por Skype com clientes. Boa parte deles trabalha das 9 as 18. Além disso, teria que casar com o horário do resto do time, pois pessoas podem precisar de mim depois das 15.

    Mas não é uma crítica ao texto, pois acredito muito nisso só não acho que serve para o meu caso :-)

    Um abraço!

  • Curti muito. Ótimo artigo!!!

  • Olá! Eu também trabalho em home office e sou muito produtiva à noite. Às vezes trabalho das 21:00 à 1:00 e só paro porque realmente preciso de boas horas de sono. Eu sinto meu rendimento muito maior neste trabalho noturno. Mas se precisar acordar cedo, já era!!! Grande abraço Juliana