O home office viajante do Catalejos

Paula Quintas no Adoro Home Office

Paula Quintas já dividiu seu tempo entre os clientes do Catalejos e um expediente fixo e tradicional na Bergamota. Mas depois de três anos nessa vida dupla, o home office foi o caminho escolhido para tocar em frente um projeto que gerencia pesquisa, planejamento e criação em design e estratégia para projetos nacionais e internacionais. E para isso ela nem sempre precisa estar em casa, e nem sempre no Brasil e muito menos no mesmo lugar todos os dias.

 

1 – O que é o Catalejos?
O Catalejos é um projeto que comecei quando morava em Buenos Aires em 2009, criado para oferecer briefings sobre comportamento brasileiro e insights de produtos e serviços para empresas de fora que desejavam entrar em terras tupiniquins. Notei que existia muito interesse em entender a complexidade e as diferenças do nosso país-continente, então desenvolvi essa oferta para, em um primeiro momento, ser o elo de ligação entre a América Latina e o Brasil. Quando, no ano seguinte, após concluir o master em Gestão Estratégica de Design na Universidad de Buenos Aires, decidi passar seis meses me especializando em estudo de tendências em Barcelona, o Catalejos foi junto na mala, aí já mais aberto, oferecendo não só a parte de pesquisa e estratégia mas também design. Nessa migração, me desliguei de outros projetos e passei a trabalhar em home office de lá.

Quando voltei ao Brasil, investi em um projeto conjunto com outras duas sócias, a Bergamota Essência de Marca, mas nunca deixei de manter essa relação com os clientes do exterior que seguiam demandando conteúdo e pesquisa sobre temas do Brasil. Depois de 3 anos nessa vida dupla e cada vez menos acostumada à rotina 9 -19h de um escritório padrão, voltei à exclusividade no Catalejos, que hoje trabalha em rede com outros escritórios na oferta de pesquisa, estratégia e design para a gestão de marcas.

 

2 – Como você organiza seu esquema de home office atualmente? 
Minha organização é bastante fluída e depende da demanda. Algumas semanas mais puxadas seguem rotinas mais duras. Normalmente prefiro as manhãs para o trabalho criativo e deixo as tardes para reuniões e saídas. Gosto muito de acordar cedo e o melhor horário para trabalhar muitas vezes é vendo o sol nascer. Questão de rotina, né? Quando o trabalho está rendendo bem, prefiro fazer mais horas corridas e liberar a tarde para rotinas ou atividades físicas. O dia parece que ganha horas quando não temos tantas interrupções.

 

3 – Você curte viajar e levar o trabalho junto, certo? Quais são as dicas para trabalhar e conhecer novos lugares ao mesmo tempo?
Minha empresa tem uma particularidade de ser aberta para o mundo desde o início, acredito, inclusive, que é indispensável sair com o escritório nas costas e trabalhar em diferentes lugares, países. Conhecer outras realidades oxigena o trabalho, traz novas inspirações, qualifica e diferencia a entrega. Como já tinha o costume de trabalhar para clientes de fora, a questão da distância e do fuso nunca foram problema e, às vezes até ajudam. Quando você está na Europa por exemplo, você tem 4h/5h de diferença para o Brasil, isso permite que o turismo possa acontecer em horários alternados, sem comprometer a interação com os clientes daqui.

No caso inverso, aqui na América do Sul, as rotinas são pensadas ao contrário, o que não quer dizer que algumas vezes tenha que cumprir 10h/12h de trabalho entre hotéis, aeroportos e cafés. A gente acaba descobrindo onde tem a melhor wifi, salas de trabalho e restaurantes super gostosos para passar a tarde curtindo uma linda vista ao mesmo tempo que faz um reunião por skype. Meus clientes até se divertem com isso: “Onde tu estás agora, Paula?”, “Podes mostrar a vista do café para nós?”.

 

4 – O que você mais gosta no home office? E o que é pior?
A melhor coisa do home office é, sem dúvida, não precisar de deslocamento e outros custos fixos que manter um escritório acarretam. O trânsito hoje estressa e come horas preciosas do nosso dia. Poder acordar, sentar no escritório da casa com uma xícara de café sem ter que procurar táxi, ônibus ou metrô, é maravilhoso. A parte ruim seria que às vezes perdemos a noção do tempo e vamos longe na imersão no trabalho. Tento respeitar horas limite mesmo nos dias mais pesados para não virar refém do negócio. Tem uma coisa que também é engraçada mas acho que com o tempo está se perdendo – AINDA BEM –  é o fato de os amigos, familiares e etc acharem que pelo fato de trabalhares em casa, estás esperando uma oportunidade de emprego ou é algo temporário na vida. No meu caso, o home office aumentou a rentabilidade geral de meus projetos em 30%, 40%, me possibilitando investir em novos negócios e parcerias. Sinto falta dos colegas de trabalho, mas nunca de uma rotina de escritório.

 

5 – Qual sua dica para facilitar a vida no home office? (método, horário, livro, uma mania haha) 
Acredito que cada um cria o seu método, a sua rotina. A minha é acordar bem cedo e trabalhar até umas 14h, quando paro para almoçar e diminuo o ritmo, muitas vezes saindo para encontrar novos clientes ou alinhavar projetos. Uma boa estação de trabalho é indispensável. Cadeira confortável, mesa na altura ideal, boa iluminação. Gosto de ter tudo bem organizado, facilita na hora de colocar a mão na massa.

_MG_0042 2