Remote Year: trabalho e viagem

gente sabe que rodar o mundo viajando, conhecendo novas culturas e trabalhando é o sonho de muita gente. Se você tem vontade, mas não se sente seguro o suficiente para encarar tudo isso sozinho e por conta própria, está na hora de conhecer o Remote Year. É um programa que seleciona participantes para uma viagem de um ano, rodando o mundo e trabalhando remotamente. A proposta é que o grupo selecionado fique entre duas e cinco semanas em cada cidade e conheça 12 lugares durante 12 meses. A primeira edição começou em junho desse ano e tem dois brasileiros  entre os 75 viajantes. Fernanda Prats é stylist e tem um blog onde conta um pouco da nova rotina de nômade digital e Rafael Bertolli é consultor de inovação e tecnologia e compartilha no Facebook várias coisas sobre a viagem.

Achou legal? Então é hora de aproveitar que as inscrições para a segunda edição estão abertas. O novo programa começa em fevereiro de 2016 e inclui 12 cidades no roteiro: Montevidéu, Buenos Aires, La Paz, Cusco, Istambul, Praga, Belgrado, Cavtat, Kuala Lumpur, Koh Phangan, Phnom Penh e Ho Chi Minh City. Se você for selecionado, precisa saber que: a brincadeira custa 2 mil dólares por mês (o que inclui gastos com passagem e estadia) e que “emprego remoto” é responsabilidade sua. O ideal é que você já trabalhe nesse formato ou possa negociar um ano fora do escritório. Nessa mensalidade o programa também inclui um espaço de trabalho em cada cidade e internet 24 horas, além de palestras, passeios e atividades relacionadas.

Se você tem essa grana e disposição para passar um ano convivendo com um grupo totalmente novo de pessoas, pode ser uma ótima chance. Certamente deve ser um aprendizado e tanto. E pelas fotos que eles postam no Instagram, diversão é o que não falta no programa! Também tem uma menina que está fazendo um documentário sobre nômades digitais e acompanhou o pessoal durante um período. Confira o vídeo: