Vende-se um freelancer

Uma das grandes dificuldades do freelancer é descobrir como apresentar seus projetos de uma maneira atraente, que valorize seu trabalho, mostre seus diferenciais e, claro, passe a seriedade necessária para o cliente. Em outras palavras: como se vender!

Embora todos passem por esse problema, alguns têm mais facilidade. Outros ficam receosos de se expôr e até mesmo envergonhados. Mas, calma, essa não é uma tarefa impossível. Na verdade, é bem simples depois que você conhece o caminho. Veja a seguir alguns pontos que consideramos vitais para ter sucesso na empreitada.

Não tente abraçar o mundo

Porque assim você não abraça nada! É bem comum o profissional independente, especialmente nos primeiros anos de vida freelancer, virar um generalista, querer aproveitar todas as oportunidades que aparecem, fazendo todo tipo de trabalho e nunca dizendo não. O problema é que ao querer fazer tudo, você não faz nada muito bem. Nesse ponto, ser um especialista (seja no que for) é um diferencial importante, que vai ajudar a garantir jobs de qualidade.

Reconheça seus pontos fortes

Autoconhecimento é a chave para muitas coisas na vida. Para o trabalho freelancer também! Reconhecendo seus pontos fortes – é claro que você tem! – saberá exatamente o que quer fazer e irá vender aquilo que sabe fazer de melhor. Como consequência, os retornos serão mais positivos e você ganhará cada vez mais confiança para apresentar seus projetos.

Mostre do que é capaz

Quem não é visto não é lembrado, diz o ditado. E é bem verdade. Você precisa colocar seu trabalho na vitrine se quiser ir além da indicação de amigos. Lembre-se que não tem nada de errado em se vender. Não é feio mostrar seus melhores projetos. Afinal, é dessa exposição que o freelancer vive. Claro, não há necessidade de contar em detalhes absolutamente tudo que já fez na vida, mas o mais relevante e de forma interessante.

Opte pelo simples

E para mostrar seu trabalho, não precisa reinventar a roda (se fizer, tudo bem!). O simples bem feito muitas vezes tem um efeito mais positivo e duradouro que pirotecnia. Saiba explorar da melhor forma logos, textos e imagens das campanhas em que já trabalhou e monte um portfólio bacana, com os projetos mais interessantes. Se o conteúdo for de qualidade, o layout não vai ser assim tão importante, principalmente se você não é designer. Mais uma vez, preste atenção nos seus pontos fortes. Se você fala bem, por exemplo, que tal fazer um vídeo de apresentação?

Tire proveito de ferramentas e plataformas

De acordo com uma pesquisa da Freelancers Union*, 62% dos trabalhadores independentes nos EUA utilizam plataformas on-line para cadastrar portfólio e divulgar seus projetos. A ideia é que essas redes conectem profissionais e potenciais clientes. Aqui no Brasil, a Nosotros funciona nesses moldes, com uma curadoria especializada que reúne os melhores freelancers da área da Comunicação. Há ainda o Behance, exclusivo para designers, e o ARQTTO, para o pessoal da Arquitetura. Mas não são os únicos. O segredo é encontrar uma plataforma séria voltada para sua área e aprender a tirar proveito das ferramentas disponíveis. O retorno pode ser impressionante.

E lembre-se: “se vender” não é ser cara de pau, mas uma necessidade nos dias atuais. Para tanto, é preciso estar seguro da qualidade do seu trabalho e buscar a melhor maneira de fazê-lo chegar a quem precisa.

Agora é sua vez de compartilhar com a gente como você faz para vender seu trabalho!

*A Freelancers Union é uma organização sem fins lucrativos norte-americana que funciona como uma espécie de sindicato da força de trabalho independente.

** Esse post faz parte da parceira de conteúdo entre a Nosotros e o Adoro Home Office.

  • Carla Blanco

    Nossa, post muito interessante…
    Também acho que uma das coisas mais complicadas é saber ‘se vender’ e não acho que é ser cara de pau, é necessidade hoje em dia já que existe uma gama grande de profissionais que estão aderindo ao home office…
    Eu mesma sou uma das que iniciou essa mudança faz um tempo e ainda estou me adaptando, recentemente comecei a me dedicar em tempo integral a ser freelancer… mas tá difícil rs.
    Abraços!

    • Concordo contigo, Carla!
      Também acho difícil esse lance de me vender e falar bem do meu próprio trabalho, mas se a gente não faz, tem quem faz e acaba pegando muito job!
      É importante dar atenção pra isso mesmo!